Fim do eSocial! O que vem por ai?

por Equipe de conteúdo

Fim-do-esocial

Se depender das recentes declarações do governo sim, o fim do eSocial está decretado.

Segundo declarações do secretário da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho na prática o modelo atual do eSocial seria radicalmente transformado, de tal forma que nas próprias palavras dele constituiriam no “novo eSocial”.

A ideia é transformar o novo eSocial num sistema duplo, onde parte das informações seria transmitida para a Receita Federal e parte para a Previdência.

O Secretário também afirmou que o plano de reformulação vai ter esquemas diferenciados de declaração das informações, sendo um para médias e grandes empresas e outro mais simplificado ainda para pequenas e microempresas (as PME´s).

Em linhas gerais, o sistema como um todo passaria por um enxugamento, reduzindo de 900 para 450 informações a serem prestadas pelas a empresas.

Baseado nos relatos do secretário Marinho, é possível arriscar que esse número seria ainda menor para as PME´s.

O prazo de implantação do novo sistema será em janeiro de 2020, porém até lá muitos detalhes deverão ser divulgados.

Justificativa para o fim do eSocial

Dentro da política do atual governo federal, e sendo que o fim do eSocial entra em consonância com a MP 881, a famosa medida provisória da Liberdade Econômica a ideia é facilitar a vida das empresas brasileiras, de modo a não sufocá-las com o excesso de exigências do Estado.

O eSocial tal como desenhado inicialmente (Foi lançado em 2014) recebia muitas críticas da classe empresarial pelo excesso de complexidade e espantoso volume de informações exigidas.

O Brasil é um dos países que mais consome tempo para cumprimento de obrigações fiscais.

Segundo estudos internacionais cada empresa leva cerca de 2600 horas para calcular, declarar e pagar impostos e certamente o eSocial contribuía para elevar esse número.

Trabalho das empresas perdido até aqui?

“O novo sistema será criado levando em consideração o que já foi investido pelas empresas”, afirmou o secretário, “a migração para novo sistema será amigável para que não perdemos o que já foi feito até agora”, acrescentou Rogério Marinho.

Respiro para as empresas

Com essa medida o governo pretende desafogar as empresas do excesso de obrigações e aumentar a competitividade e atividade econômica do país, especialmente neste momento em que a economia demora a dar sinais de recuperação.

As medidas anunciadas vão vigorar inteiramente?

A ver.

Acompanhe nosso blog para ficar por dentro dessa e de outras noticias do mundo fiscal e empresarial.

A equipe Unimake Software agradece a sua visita.

Compartilhe

Post anterior:

Próximo post: