Testes de Software: o que são e como são feitos?

por Equipe de Conteúdo

Os testes de software correspondem a uma fase importante na criação de todo sistema. Atualmente, as empresas buscam por soluções que ofereçam diferentes testes e desempenho de funções. Veja as sugestões que a Unimake preparou logo abaixo!

Ah! Aproveite e confira também nosso post com os 7 motivos para as empresas implantarem um sistema ERP.

O que é Teste de Software?

O teste de software é um dos passos essenciais no planejamento e desenvolvimento de uma aplicação. A principal função dos testes é apresentar erros ou bugs, para que desta forma, exista controle de qualidade e correção no produto final.

Os analistas de testes, também conhecidos como homologadores ou técnicos, são profissionais responsáveis pela criação e aplicação dos testes de software e análise dos dados, bem como, do cuidado de atividades essenciais como:

  • análise da especificação dos requisitos;
  • análise de projetos técnicos;
  • análise de dados e documentos;
  • provas de capacidade e performance;
  • testes de interface; e outros mais.

Deseja conhecer as atividades relacionadas ao trabalho de um técnico de testes? A Unimake destacou os principais tipos de testes de software para a sua empresa. Confira na sequência!

5 problemas que você vai ter usando software pirata

Quais são os testes de software?

Existem diversos testes de software que auxiliam na correção de bugs nos sistemas. Sobre eles, especialistas na área afirmam que, quando realizados em fases iniciais, os valores envolvidos no processo são menores e mais fáceis de tratar. Desta forma, analistas recomendam métodos que priorizem a aplicação dos seguintes testes:

  • Teste de Unidade;
  • Teste Operacional;
  • Teste de Integração;
  • Teste de Regressão;
  • Teste Positivo-negativo;
  • Teste de Caixa-preta;
  • Teste Caixa-branca;
  • Teste de Interface;
  • Teste Funcional;
  • Teste de Performance;
  • Teste de Carga;
  • Teste de Volume;
  • Teste de Aceitação do usuário;
  • Testes de Stress;
  • Testes de Instalação;
  • Testes de Configuração;
  • Testes de Segurança.

Vale destacar, é essencial que os testes antecedam o desenvolvimento do sistema. Afinal, um dos maiores objetivos destas análises é a validação das funcionalidades do produto final. Entenda um pouco mais cada um destes testes de software.

Veja também: Como escolher o melhor serviço de backup em nuvem para empresas.

Teste de Unidade

O teste de unidade analisa o que chamamos “uma parte do código”. Em outras palavras, este teste de software visa analisar um nível de classe ou componente do sistema.

Teste Operacional

O teste operacional auxilia que o sistema funcione sem bugs ou falhas no decorrer do tempo. Considerado por muitos analistas como um dos principais teste de software para uma empresa.

Teste de Integração

O teste de integração permite que uma ou mais unidades funcionem de maneira conjunta. Técnicos afirmam que, a junção dos testes de unidade compõem um teste de integração.

Teste de Regressão

O teste de regressão deve ser efetuado sempre que existirem mudanças em um sistema. Desta forma, técnicos mantêm a aplicação em constante controle de qualidade.

Teste Positivo-negativo

O teste positivo-negativo assegura que a aplicação irá rodar corretamente, seguindo conforme o fluxo programado.

Teste de Caixa-preta e Teste Caixa-branca

O teste de caixa-preta é a análise de software que foca nas entradas e saídas do sistema. Para isso, o código não é destacado, e as saídas são analisadas detalhadamente para correção de bugs. Já a análise dos testes caixa-branca visam testar o código.

Teste de Interface

O teste de interface certifica se os objetivos de tela respondem como o programado, bem como, se as telas agradam ou respondem às necessidades do usuário.

Teste Funcional

Como o próprio nome deste teste de software já adianta, a análise funcional visa provar funções e regras estabelecidas. É destacada por muitos técnicos, como parte dos testes mais complexos em um sistema.

Teste de Performance e Carga

O teste de software direcionado para performance, analisa o tempo de resposta do sistema. O teste de carga, por sua vez, apresenta respostas da aplicação quando submetida a sobrecarga de usuários.

Teste de Volume e Aceitação do usuário

O teste de volume averígua os dados presentes na aplicação, enquanto a aceitação do usuário analisa as opções preteridas ou rejeitadas pelos usuários, como cores utilizadas, soluções muito complexas, dentre outras opções presentes no sistema.

Testes de Stress

O teste de software voltado para o stress, é a prova de como o sistema reage em situações imprevistas. É considerado por muitos analistas, como um dos testes fundamentais para melhorias nas aplicações.

Testes de Configuração e Segurança

Os testes de configuração asseguram se o sistema funciona de maneira correta e em diversos ambientes do software ou hardware, enquanto as análises de segurança visam testar variedade de papéis e acessos para navegar no sistema.

Não deixe de conferir: Backup na nuvem vai além da segurança.

Quando testar software?

O teste de software é fase na construção de um sistema, que busca comprovar níveis de qualidade. Erros de compatibilidade, bugs no algoritmo ou limites de hardware são exemplos de falhas que podem – e devem ser solucionadas. Portanto, inclua os testes e as análises destes resultados na rotina da sua empresa.

Gostou de conhecer informações relacionadas a teste de software? Então, siga por dentro dos conteúdos que a Unimake desenvolve semanalmente para você e seu negócio. Além disso, compartilhe o conteúdo com amigos ou familiares interessados nestas soluções tecnológicas.

Até a próxima análise!

Compartilhe

Post anterior:

Próximo post: