Você sabe o que é CST na Nota Fiscal?

por Equipe de Conteúdo

Banner "o que é CTS na nota fiscal".
As empresas precisam ficar atentas as regras tributárias para evitar problemas com o fisco. Para isso, é importante entender o que são e como funcionam os códigos e as siglas relacionados a tributação. Nesse caso, os empreendedores que atuam no comércio de produtos nacionais e importados devem ter uma atenção maior. Diante disso, você sabe o que é CST na nota fiscal?

Esse código é essencial para o cálculo de impostos importantes, por isso você precisa conhecer e aplicá-lo de maneira correta nos documentos fiscais. Quer saber mais sobre ele? Então, continue a leitura e confira!

Afinal, o que é o CST?

CST é a sigla para Código de Situação Tributária. Ela serve para indicar se um produto é nacional ou importado, ou seja, se ele foi produzido no Brasil ou no exterior. É dessa forma que o Governo consegue rastrear as mercadorias. Além disso, o CST informa como a mercadoria deve ser tributada pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, ou somente ICMS.

Podemos dizer que esse código é a combinação da procedência do produto e do regime de tributação da mercadoria. Ele precisa ser inserido na nota fiscal de venda, já que incide no cálculo do ICMS. Se isso não ocorrer, a organização pode ter problemas na emissão das declarações fiscais e corre o risco de sofrer sanções da Receita Estadual.

Leia também:NCM: O que é e para que serve?

Como identificar o CST na prática?

Agora você já sabe o que é CST na nota fiscal, mas ainda não falamos como esse código pode ser identificado. Vale destacar que ele é composto por três números, sendo o primeiro dígito é referente a origem da mercadoria e os dois últimos estão relacionados com a sua tributação no ICMS.

Para conseguir identificar corretamente o número é necessário usar duas tabelas fornecidas pela Receita Estadual. A tabela informa o código da origem da mercadoria, segundo a SEFAZ esses códigos são:

  • 0 – Nacional, exceto as indicadas nos códigos 3, 4, 5 e 8;
  • 1 – Estrangeira – importação direta, exceto a indicada no código 6;
  • 2 – Estrangeira – adquirida no mercado interno, exceto a indicada no código 7;
  • 3 – Nacional, mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação superior a 40% e inferior ou igual a 70%;
  • 4 – Nacional – cuja produção tenha sido feita em conformidade com os processos produtivos básicos de que tratam o Decreto-Lei n° 288/67 e as Leis nos 8.248/91, 8.387/91, 10.176/2001 e 11.484/2007;
  • 5 – Nacional – mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação inferior ou igual a 40%;
  • 6 – Estrangeira – importação direta, sem similar, constante em lista de Resolução CAMEX e gás natural;
  • 7 – Estrangeira – adquirida no mercado interno, sem similar nacional, constante em lista de Resolução CAMEX e gás natural;
  • 8 – Nacional, mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação superior a 70%.

Depois disso, deve-se encontrar os dois últimos dígitos que está relacionado a tributação do ICMS na tabela B. De acordo com a SEFAZ, esses números são:

  • 00 -Tributada integralmente;
  • 10 -Tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária;
  • 20 – Com redução de base de cálculo;
  • 30 – Isenta ou não tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária;
  • 40 – Isenta;
  • 41 – Não tributada;
  • 50 – Suspensão;
  • 51 – Diferimento;
  • 60 – ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária;
  • 70 – Com redução de base de cálculo e cobrança do ICMS por substituição tributária;
  • 90 – Outras.

Após pesquisar os números nas tabelas, você tem o código do CST em mãos para incluir na nota fiscal de maneira correta. Lembre-se de que informá-lo de maneira incorreta pode acarretar problemas com a Receita Estadual.

Leia também: CFOP: O que é e para que serve?

Como funciona o CST na prática?

Na prática, o CST serve para informar o Governo a origem de uma mercadoria, bem como a orientar o cálculo do ICMS. Para isso, todas as empresas que comercializam produtos com Regime Normal de Tributação (Lucro Presumido ou Real) são obrigadas a inserir na nota fiscal esse código.

Já as empresas com Regime de Tributação Simples Nacional, devem usar outro código. Nesse caso, usa-se o CSOSN (Código de Situação da Operação no Simples Nacional). Porém, isso é assunto para outro post.

Então, se você pertence ao regime normal sempre que emitir uma nota fiscal deve consultar a tabela A e B e incluir o CST no documento. Caso você tenha dúvidas relacionadas a alguma dessas informações, consulte o contador da empresa para que ele possa saná-las. Isso porque eles já estão acostumados a verificar esse código.

Em conclusão, agora você sabe o que é CST na nota fiscal. Ou seja, que ele é um código muito importante para empresas que vendem produtos nacionais e importados, pois precisa ser vinculado a nota fiscal de venda para que o ICMS seja recolhido de maneira correta. Porém, deve-se ter muito cuidado para escolher o número certo para evitar problemas com o fisco.

Gostou deste texto? Então, aproveite para curtir nosso canal no YouTube para conferir em primeira mão todos os nossos conteúdos. Assim, você poderá ficar por dentro de tudo que acontece no mundo tributário.

Compartilhe

Post anterior:

Próximo post: