SPED: Bloco K e o desafio de prestar informações ao Fisco

by marcese

That, my friend, is a pic of a rocket factory. You won´t see many of these

Estamos acompanhando a obrigatoriedade do Bloco K no âmbito do SPED, instituída pelo Governo Federal, através do Decreto 6.022/2007, para estabelecimentos industriais, ou a eles equiparados, e atacadistas. Para essas empresas, será obrigatória a escrituração do Bloco K no SPED Fiscal, a partir de janeiro de 2017, conforme Ajuste Sinief nº 8, de outubro de 2015, contendo as informações de movimentação de estoques e da produção.

Inicialmente, todas as indústrias estariam obrigadas a apresentar o Bloco K a partir de 1º de janeiro de 2016. Entretanto, esse prazo terá de ser observado somente pelas empresas com faturamento anual igual ou superior a R$ 300 milhões e pelas pessoas jurídicas habilitadas no Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (Recof).

A nova regra ainda determina que as indústrias com faturamento igual ou superior a R$ 78 milhões ficarão obrigadas ao Bloco K somente a partir de 1º de janeiro de 2018. Para outras empresas e comerciantes atacadistas, a exigência valerá a partir de 1º de janeiro de 2019.

Como toda novidade contábil gera um pouco de preocupação por parte das empresas, diante da demanda de responsabilidades e das penalidades envolvidas, é indispensável se atualizar sobre os processos que serão informados e as características que deverão ser aplicadas ao Bloco K. Em caso de omissão de informações em meio magnético ou a sua entrega em condições que impossibilitem a leitura e tratamento e/ou com dados incompletos, correspondente ao controle de estoque e/ou registro de inventário, a multa é o equivalente a 1% do valor do estoque no final do período conforme prevê o artigo 527, inciso VIII “Z” do RICMS/SP.

Mas, o que realmente será mudado com as novas informações do Bloco K?

A atuação da fiscalização passará a ter um amplo acesso com as novas informações das empresas, facilitando as informações de cruzamento de saldos com toda a parte de inventário da companhia.

A Receita Federal do Brasil terá registradas no Bloco K as quantidades produzidas a partir das informações do estoque das empresas, contemplando os insumos adquiridos em cada operação de produto acabado, a projeção de estoque de matéria-prima e de produto acabado, e ainda, informações de industrialização efetuada por terceiros.

A gestão da empresa e os seus controles de estoque terão a oportunidade de se aperfeiçoar, já que a nova exigência deve obrigar o contribuinte a aprimorá-los.

A produção deverá abrir informações sigilosas, o que exige atenção, caso a caso. A ficha técnica padronizada, registrada no Bloco K, por exemplo, deverá informar o consumo específico padronizado e a perda normal para se produzir uma unidade de produto.

A multa pelo não fornecimento de informações relacionadas ao Bloco K ou sua entrega com dados incompletos pode chegar a 1% do valor total do estoque no período.

Resumindo, o Bloco K está gerando riscos, desafios e oportunidades para as empresas, que a partir de então, precisarão elaborar um planejamento de qualificação para a equipe de profissionais responsável pelas áreas fiscal e contábil.

 

 

Fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/a-nova-fase-do-sped-fiscal-para-as-empresas-bloco-k/112635/

Compartilhe

O que muda com o fim do emissor de NF-e de São Paulo?

by marcese

Emissor NF-e blog 2

A SEFAZ SP anunciou recentemente que deixará de fornecer atualizações para seu emissor de Nota Fiscal Eletrônica.

A manutenção será dada até 31/12/2016.

Na prática o que acontece com os usuários que o utilizam?

Após esse período ainda que o aplicativo continue funcionando, não receberá mais atualizações.

Se porventura a Fazenda promover alguma mudança no leiaute da Nota Fiscal Eletrônica ou de outros documentos eletrônicos (CT-e, CC-e, por exemplo) o aplicativo não será mais capaz de enviar o XML correto e por consequência o contribuinte usuário estará impedido de emitir o documento pelo aplicativo.

Também não é possível prever em que momento essas mudanças acontecerão, podem levar meses ou semanas, de modo que em algum momento ao longo de 2017 o aplicativo deixará ser funcional para um ou mais tipos de documentos fiscais eletrônicos.

Quais as alternativas para os usuários?

Como apontado pela própria SEFAZ SP em seu comunicado (Leia aqui) recomenda aos usuários que busquem soluções no mercado.

Fazendo isso, ainda que seja uma solução paga, os usuários passarão a contar com aplicativos que oferecem suporte e atualizações constantes, reduzindo assim grandes probabilidades de parada no processo de emissão.

A Unimake Software oferece seu emissor de NF-e (Acesse o material aqui) que também permite emissão de NFC-e, CT-e, MDF-e e CC-e.

O aplicativo traz para seus clientes, além da vantagem de uma excelente relação custo benefício funcionalidades muito mais avançadas que o emissor de SP como cadastro simplificado de clientes e tributações, além da impressão automática do DANFE e o envio automático do XML para os clientes finais.

Migre para nossa solução agora mesmo,  fale com nossa equipe comercial pelo e-mail comercial@unimake.com.br ou pelos fones 44 3141-4900 e 44 9109-6614

 

Compartilhe

O Senado quer ouvir a opinião da população sobre limitação nas franquias de internet

by marcese

blog unimake internet

O Senado Federal quer saber a opinião dos internautas em relação a um dos temas mais polêmicos que dominou o noticiário tecnológico nos últimos meses: o limite de dados da internet fixa. Em uma enquete disponível no site oficial do Senado, os usuários podem responder as questões que ficarão disponíveis neste link até 15/06.

De acordo com a página, as perguntas são relativas à proibição da limitação de consumo de dados na internet banda larga fixa e têm como base os projetos de lei 174/2016 e 176/2016, além da SUG 7/2016.

  1. Você é a favor ou contra a limitação de consumo de dados na internet de banda larga fixa?
  2. Em sua opinião, limitar o consumo de dados está ou não está de acordo com os princípios previstos no Marco Civil da Internet?
  3. Você é a favor ou contra o bloqueio coletivo de aplicativos de comunicação por decisões judiciais?
  4. Em sua opinião, com a limitação do consumo de dados na internet de banda larga fixa:
  • O lucro das empresas vai aumentar, permanecer igual ou diminuir?
  • A qualidade dos serviços vai aumentar, permanecer igual ou diminuir?
  • A satisfação dos clientes vai aumentar, permanecer igual ou diminuir?
  • Os gastos dos clientes com internet vão aumentar, permanecer iguais ou diminuir?

Caso não saiba, há sempre uma alternativa em que o usuário pode declarar que não tem conhecimento ou que prefere não opinar naquela questão de passar para a próxima pergunta.

Entenda

A polêmica da limitação da internet banda larga fixa surgiu quando a Vivo anunciou que os planos oferecidos pela operadora poderiam penalizar internautas que gastassem toda a franquia de dados contratada com o bloqueio da conexão, como já acontece com a internet móvel.

A decisão gerou bastante polêmica e foi contestada por diversos órgãos ligados à defesa do consumidor e por petições criadas por internautas que pediam o fim da limitação da internet.

Fonte:

http://olhardigital.uol.com.br/noticia/senado-lanca-enquete-para-saber-se-voce-e-contra-o-limite-de-dados-da-internet/58537

Compartilhe

País atinge marca de 14 bilhões de NF-e´s emitidas

by marcese

Bits_nf-e_Unimake

O projeto nacional da Nota Fiscal Eletrônica atingiu nesta semana incríveis 14 bilhões de NF-e´s emitidas.

Esse volume foi emitido por mais de 1,3 milhão de contribuintes nos 27 estados da federação e demonstra a maturidade do projeto que completa 11 anos em 2016.

A NF-e surgiu como um protocolo de intenções num encontro do ENCAT (Encontro Nacional dos Administradores e Coordenadores Tributários Estaduais) e a Receita Federal.

A intenção do projeto foi a de agilizar o processo de emissão e circulação da NF entre as partes (Comprador e vendedor) dispensando as autorizações de impressão que tinham de ser obtidas junto à Receitas Estaduais; a economia de papel com a dispensa dos formulários contínuos (A NF´s chegavam a ter 6 vias em algumas empresas) e o maior controle em tempo real das operações pelo Fisco.

Inicialmente grandes empresas aderiram ao projeto, fato em que foram beneficiadas imediatamente pois algumas emitem centenas de milhares de Notas Fiscais por ano e posteriormente o fisco foi escalonando para mais atividades de forma que hoje atende a praticamente todos os segmentos econômicos brasileiros.

Sem dúvida é o maior projeto de “electronic invoice” do mundo e certamente um case para países que queiram adotar o sistema.

Veja onde a informação é obtida na fonte, acessando http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/infoEstatisticas.aspx

 

Compartilhe

UNINFE agrega novos munícipios em que os contribuintes podem emitir NFS-e diretamente pelo ERP

by marcese

NFSe_Unimake

A lista de cidades cujos contribuintes podem emitir NFS-e (Nota Eletrônica de prestação de serviços) diretamente pelo sistema de faturamento (ERP) usando o componente UNINFE vem aumentando a cada dia.

Com as recentes integrações promovidas pela Unimake agora já são 185 cidades ao todo que podem contar com essa comodidade.

Emitindo Notas de Serviço diretamente pelo ERP

É importante entender o funcionamento do projeto da NFS-e:

Diferentemente do projeto NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) cujo documento serve para a venda de mercadorias e o projeto é de âmbito nacional, o projeto NFS-e é conduzido individualmente por cada prefeitura.

Por não se tratar de um projeto unificado, logo, vários “padrões” surgiram, de modo que muitos sistemas de faturamento (ERP) não estão preparados para que o contribuinte fature seus serviços de forma direta. Quando o sistema não está integrado, o contribuinte tem que logar no site de sua prefeitura e emitir a nota pela interface lá oferecida.

Isso gera transtornos, pois necessita recadastrado de serviços, de clientes, de tributação, entre outros.

Neste contexto a Unimake vem trabalhando para facilitar essa rotina, adaptando os diferentes leiautes de diversos municípios no país de forma que ao integrar o componente UNINFE fornecido pela empresa, o contribuinte possa emitir as NFS-e diretamente de seu sistema, de forma simples e rápida como assim se consegue com a NF-e desde 2008.

Sem custo de manutenção

O UNINFE é open source (Código fonte livre) e gratuito, não gera custos (por parte da Unimake) para download e integração, todavia é possível que a empresa que presta suporte possa cobrar pelo serviço de integração com o ERP. Recomendamos aos contribuintes que conversem com seus técnicos sobre isso.

Economia de tempo = economia de dinheiro

Imagine emitir uma nota de serviço em poucos segundos? Tendo seu ERP integrado ao UNINFE isso é possível, porquê ao emitir a nota o contribuinte a faz a partir de seu sistema, utilizando todas as informações já cadastradas e as regras de tributação parametrizadas. Ter que fazer isso no site da prefeitura implica em acessar o site, fazer login e (re)digitar muitas informações.

Minha cidades está na lista, como faço para usar o UNINFE?

Por ser um aplicativo muito técnico o componente UNINFE atualmente é instalado e configurado em sua maior parte por software houses ou departamentos internos de TI´s das empresas.

Caso você não seja da área técnica e quer conhecer a ferramenta, solicite ao seu fornecedor ou departamento de TI que acesse o portal do projeto http://www.unimake.com.br/uninfe/ e lá encontrará todo o material necessário de como fazer a integração ao seu ERP.

Minha cidade não está na lista, como faço para usar o UNINFE?

Peça para o seu técnico de TI entrar em contato com nosso equipe através do endereço www.suporte.unimake.com.br

Relação dos municípios

Confira abaixo da lista completa de cidades que podem ser integradas ao UNINFE:

Município Padrão
Alagoinhas – BA FREIRE_INFORMATICA
Almirante Tamandaré – PR BETHA
Ananindeua – PA GINFES
Anapolis – GO ISSNET
Apucarana – PR ISSONLINE
Aracaju – SE WEBISS
Aracatuba – SP ISSONLINE
Araraquara – SP GINFES
Arcos – MG WEBISS
Assis – SP PRONIN
Balsa Nova – PR EQUIPLANO
Barretos – SP SIGCORP_SIGISS
Bauru – SP SIGCORP_SIGISS
Bebedouro – SP CONAM
Belém – PA DSF
Belford Roxo – RJ GINFES
Belo Horizonte – MG BHISS
Bento Gonçalves – RS BETHA
Bertioga – SP GINFES
Betim – MG GINFES
Birigui – SP SMARAPD
Blumenau – SC BLUMENAU_SC
Botucatu – SP SIGCORP_SIGISS
Brumado – BA WEBISS
Caçapava do Sul – RS DUETO
Cachoeirinha – RS THEMA
Cafelândia – PR EQUIPLANO
Caieiras – SP CONAM
Campinas – SP DSF
Campo Bom – RS GIF
Campo Grande – MS DSF
Campo Largo – PR IPM
Campo Mourão – PR IPM
Campos dos Goytacazes – RJ GINFES
Candói – PR EQUIPLANO
Canoas – RS CANOAS_RS
Capanema – PR EQUIPLANO
Capinzal – SC BETHA
Capitão Leônidas Marques – PR EQUIPLANO
Caraguatatuba – SP GINFES
Carâmbei – PR EQUIPLANO
Cariacica – ES SMARAPD
Caruaru – PE GINFES
Cascavel – PR ISSNET
Cataguases – MG GINFES
Caxias do Sul – RS GIF
Cedral – SP GINFES
Cianorte – PR SIGCORP_SIGISS
Cláudio – MG NOTAINTELIGENTE
Cocal do Sul – SC BETHA
Colatina – ES EL
Contagem – MG PRONIN
Cosmorama – SP FIORILLI
Cotia – SP GINFES
Criciúma – SC BETHA
Cuiabá – MT ISSNET
Curitiba – PR EGOVERNE
Curitibanos – SC BETHA
Diadema – SP GINFES
Divinópolis – MG GOVDIGITAL
Dois Vizinhos – PR EQUIPLANO
Duque de Caxias – RJ TIPLAN
Embu das Artes – SP SIMPLISS
Erechim – RS SYSTEMPRO
Estância Velha – RS TECNOSISTEMAS
Esteio – RS THEMA
Farroupilha – RS GIF
Feira de Santana – BA WEBISS
Formiga – MG WEBISS
Fortaleza – CE GINFES
Franca – SP GINFES
Francisco Beltrão – PR EQUIPLANO
Garibaldi – RS GIF
Gaspar – SC THEMA
Goiania – GO GOIANIA
Governador Valadares – MG ISSONLINE4R
Gravataí – RS IPM
Guaíba – RS GINFES
Guaratuba – PR EQUIPLANO
Guarulhos – SP GINFES
Herval D’Oeste – SC BETHA
Hortolândia – SP GINFES
Ibaiti – PR EQUIPLANO
Ibiporã – PR EQUIPLANO
Içara – SC WEBISS
Igarapé – MG SIGCORP_SIGISS
Iguatama – MG SIMPLISS
Ijui – RS DUETO
Imbituva – PR EQUIPLANO
Ipatinga – MG GINFES
Itaboraí – RJ GINFES
Itajubá – MG GINFES
Itapecerica da Serra – SP CONAM
Itapema – SC BETHA
Itu – SP GINFES
Itumbiara – GO PRODATA
Ivoti – RS TECNOSISTEMAS
Jacareí – SP ISSNET
Jaguariúna – SP GINFES
Jaú – SP CONAM
Joaçaba – SC BETHA
João Pessoa – PB GINFES
Juiz de Fora – MG BHISS
Jundiaí – SP GINFES
Juquiá – SP ISSONLINE4R
Lages – SC BETHA
Lagoa Santa – MG GINFES
Lajeado – RS THEMA
Laranjeiras do Sul – PR EQUIPLANO
Lavras – MG GOVDIGITAL
Limeira – SP CONAM
Londrina – PR SIGCORP_SIGISS
Lucas do Rio Verde – MT WEBISS
Luzerna – SC BETHA
Macaé – RJ TIPLAN
Maceió – AL GINFES
Mairipora – SP CONAM
Maracanaú – CE GINFES
Marechal Deodoro – AL GINFES
Maricá – RJ GINFES
Marília – SP SIGCORP_SIGISS
Mauá – SP GINFES
Mirassol – SP PRONIN
Missal – PR EQUIPLANO
Mococa – SP GINFES
Mogi das Cruzes – SP SMARAPD
Montenegro – RS THEMA
Morro da Fumaça – SC BETHA
Natal – RN NATALENSE
Niterói – RJ WEBISS
Nova Iguaçu – RJ GINFES
Nova Santa Rita – RS DUETO
Nova Veneza – SC BETHA
Novo Hamburgo – RS ISSNET
Olímpia – SP GINFES
Pará de Minas – MG GINFES
Paracatu – MG GOVDIGITAL
Paranaguá – PR IPM
Paranapanema – SP PRONIN
Paranavaí – PR BETHA
Parauapebas – PA GINFES
Parobé – RS GIF
Passo Fundo – RS THEMA
Pato Branco – PR PRONIN
Patos de Minas – MG CONSIST
Paulínia – SP GINFES
Pedro Leopoldo – MG GOVDIGITAL
Pelotas – RS GINFES
Penápolis – SP MGM
Picada Café – RS PRONIN
Piracicaba – SP SIMPLISS
Poá – SP CONAM
Poços de Caldas – MG GOVDIGITAL
Ponta Grossa – PR FINTEL
Ponte Nova – MG MEMORY
Portão – RS TECNOSISTEMAS
Porto Alegre – RS BHISS
Porto Velho – RO PORTOVELHENSE
Pranchita – PR EQUIPLANO
Prata – MG GOVDIGITAL
Presidente Prudente – SP SIMPLISS
Prudentópolis – PR EQUIPLANO
Quatro Barras – PR ELOTECH
Recife – PE ABRASF
Regente Feijó – SP PRONIN
Registro – SP GINFES
Resende – RJ TIPLAN
Ribeirão das Neves – MG GINFES
Ribeirão Preto – SP GINFES
Rio Azul – PR EQUIPLANO
Rio Bonito – RJ GINFES
Rio de Janeiro – RJ CARIOCA
Rio Grande – RS SIGCORP_SIGISS
Salvador – BA SALVADOR_BA
Santa Cruz do Sul – RS THEMA
Santa Fé do Sul – SP RLZ_INFORMATICA
Santa Maria – RS ISSNET
Santo André – SP GINFES
Santo Antonio do Sudoeste – PR EQUIPLANO
Santos – SP GINFES
São Bernardo do Campo – SP GINFES
São Caetano do Sul – SP GINFES
São Carlos – SP GINFES
São Gonçalo – RJ SIGCORP_SIGISS
São José – SC BETHA
São José da Lapa – MG GOVDIGITAL
São José do Rio Preto – SP GINFES
São José dos Campos – SP GINFES
São José dos Pinhais – PR GINFES
São Leopoldo – RS THEMA
São Luis – MA DSF
São Paulo – SP PAULISTANA
São Sebastião do Caí – RS TECNOSISTEMAS
Sapucaia do Sul – RS GIF
Sengés – PR EQUIPLANO
Sertãozinho – SP SMARAPD
Siderópolis – SC WEBISS
Simões Filho – BA EL
Sinop – MT FISSLEX
Sorocaba – SP DSF
Taboão da Serra – SP CONAM
Taquara – RS THEMA
Taquarituba – SP FIORILLI
Tatuí – SP GINFES
Taubaté – SP CONAM
Teresina – PI DSF
Toledo – PR EQUIPLANO
Tremembé – SP SIGCORP_SIGISS
Tres Coroas – RS DUETO
Triunfo – RS DUETO
Ubá – MG GINFES
Uberlândia – MG DSF
Umuarama – PR GINFES
Uruguaiana – RS DUETO
Urussanga – SC BETHA
Varginha – MG CONAM
Vila Velha – ES VVISS
Vitória – ES VVISS
Votuporanga – SP GINFES

 

Para manter-se atualizado sobre quais municípios estão integrados ao aplicativo Uninfe, acompanhe a lista em nosso site: http://www.unimake.com.br/uninfe/municipios.php

Compartilhe

Internet Unimake

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) decidiu que vai criar um Grupo de Trabalho que debaterá e estabelecerá posicionamento sobre o tema de franquia de dados na banda larga fixa.

De acordo com o site do CGI.br, o grupo será formado pelos seguintes membros da entidade: Flávia Lefèvre, representante do Terceiro Setor, Carlos Afonso, representante do Terceiro Setor, Rodrigo Zerbone, representante do Setor Governamental pela Agência Nacional de Telecomunicações, Maximiliano Martinhão, representante do Setor Governamental pelo Ministério das Comunicações, Marcos Dantas, representante da Comunidade Científica e Tecnológica, Demi Getschko, representante de Notório Saber em Assunto da Internet, Henrique Faulhaber, representante do Setor Empresarial pela indústria de bens de informática, de bens de telecomunicações e de software, e Eduardo Parajo, representante do Setor Empresarial pelos provedores de acesso e conteúdo da Internet.

O grupo vai apresentar uma proposta de posicionamento para debate e aprovação ao pleno na próxima reunião do CGI.br, que será realizada no dia 20 de maio, em sua sede, em São Paulo.

Compartilhe

SEFAZ SP | Fim do emissor gratuito de NF-e e CT-e requer mudanças para algumas empresas

by marcese

NF-e Unimake

Justificativa da descontinuidade seria a baixa adesão do empresariado às soluções oferecidas pelo órgão.

A SEFAZ SP, mantenedora dos softwares gratuitos de emissão de NF-e e NFC-e determinou o fim do fornecimento dos aplicativos gratuitos de emissão de NF-e e CT-e no inicio de 2017.

A medida exigirá que as empresas que ainda se utilizam dos aplicativos fornecidos por aquele órgão busquem no mercado soluções proprietárias o tão logo possível, uma vez que a partir de janeiro os mesmos não receberão mais atualizações.

Segundo a entidade a decisão se dá pelo baixo volume relativo de empresas usando as soluções atualmente, 7,8% de todos os contribuintes emissores de NF-e e 3,7% dos emissores de CT-e.

A Unimake software disponibiliza ao mercado duas modalidades de emissão de NF-e, seu software integrado de gestão, o Único, que pode ser configurado apenas para emissão de NF-e e CT-e ou para controle gerencial completo, sendo este indicado para clientes finais e o UNINFE, componente que faz a mensageria dos arquivos XML de NF-e e CT-e integrável a softwares emissores de terceiros e que faz grande sucesso entre as software houses do país.

Fale com nosso equipe no canal www.suporte.unimake.com.br que teremos grande satisfação em passar todos os detalhes de funcionamento de nossos produtos.

Leia na integra o comunicado da SEFAZ-SP:

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informa que a partir de janeiro de 2017 os aplicativos gratuitos para emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) serão descontinuados.

Com a gradual adesão das empresas aos sistemas de documentos eletrônicos, o Fisco Paulista verificou que a maioria dos contribuintes deixou de utilizar o emissor gratuito e optou por soluções próprias, incorporadas ou personalizadas a seus sistemas internos.  No mercado há muitas opções de emissores, alguns deles com uma versão básica gratuita.

Os emissores gratuitos são oferecidos pela Secretaria da Fazenda aos contribuintes desde 2006, quando teve início o processo de informatização dos documentos fiscais e sua transmissão via internet com o objetivo de massificação do seu uso. Apesar dos investimentos realizados, recente levantamento da Secretaria da Fazenda aponta que o total de NF-e’s geradas por empresas que optaram por emissores próprios somam 92,2%. No caso do CT-e, o número é ainda maior: 96,3% dos documentos são gerados por emissores próprios.

Os contribuintes que tentarem realizar o download dos emissores de NF-e e CT-e receberão a informação sobre a descontinuidade do uso dos aplicativos gratuitos. A partir de 1º de janeiro de 2017 não será mais possível fazer o download dos emissores.

A Secretaria da Fazenda recomenda que os usuários que já tenham o aplicativo instalado, façam a migração para soluções próprias antes que a introdução de novas regras de validação da NF-e e do CT-e impeçam o seu correto funcionamento.

 

Compartilhe

Contagem regressiva para entrega do IRPF

by marcese

IRPF Unimake

A 5 dias do fim do prazo, mais de 40% dos contribuintes não enviaram declaração

 

A Receita Federal recebeu até as 11h de hoje (25) mais de 16,319 milhões de declarações do Imposto de Renda Pessoa Física. O número representa 57,19% dos 28,5 milhões de documentos previstos para serem entregues este ano. O programa gerador da declaração para ser usado no computador pode ser baixado no site da Receita Federal. O prazo de envio termina na próxima sexta-feira (29).

O número estimado de declarações que devem ser enviadas à Receita este ano (28,5 milhões) representa crescimento de 2,1% em relação aos 27,9 milhões de documentos entregues no ano passado.

Os contribuintes que fazem doações devem ficar atentos ao preenchimento da declaração. As pessoas que destinam recurso aos fundos municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente de seus municípios, por exemplo, devem optar pelo modelo completo. O programa do Imposto de Renda tem um campo próprio para o preenchimento das informações, na opção de doações para o Estatuto da Criança e do Adolescente.

O aplicativo do Imposto de Renda para dispositivos móveis (tablets e smartphones) está disponível nos sistemas Android e iOS, da Apple. Os aplicativos podem ser baixados nas lojas virtuais de cada sistema. Recentemente, a Receita Federal divulgou um vídeo de animação para ajudar os contribuintes que ainda não enviaram a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2016. O órgão liberou ainda um Perguntão, elaborado para esclarecer dúvidas quanto à declaração referente ao exercício de 2016, ano-calendário de 2015.

Quem perder o prazo de entrega estará sujeito a multa de R$ 165,74 ou de 1% do imposto devido por mês de atraso, prevalecendo o maior valor. A multa máxima pode chegar a 20% do imposto devido.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-04/5-dias-do-fim-do-prazo-mais-de-40-dos-contribuintes-nao-enviaram-declaracao

Compartilhe

Informação do CEST NCM é obrigatórios em NF-e´s a partir de 01/04

by marcese

DD

O Fisco, dentro do programa da Nota Fiscal Eletrônica vai validar o CEST – Código Especificador de Substituição Tributária a partir de 1º de abril de 2016, conforme Convênio ICMS 92/2015, com a nova redação dada pelo Convênio ICMS 146/2015.

O Convênio ICMS 92/2015, estabeleceu a sistemática de uniformização e identificação das mercadorias e bens passíveis de sujeição aos regimes de substituição tributária e de antecipação de recolhimento do ICMS com o encerramento de tributação, relativos às operações subsequentes.

Nas operações com mercadorias ou bens listados nos Anexos II a XXIX do Convênio ICMS 146/2015, o contribuinte deverá mencionar o respectivo CEST no documento fiscal que acobertar a operação, ainda que a operação, mercadoria ou bem não estejam sujeitos aos regimes de substituição tributária ou de antecipação do recolhimento do imposto.

Para tanto segue link em que os clientes Unimake podem baixar em PDF o manual que ensina como informar estes códigos dentro do Único ERP.

http://bit.ly/CESTNCM

http://bit.ly/InformCEST

Ademais colocamos nosso suporte à disposição para quaisquer dúvidas no canal www.suporte.unimake.com.br ou pelo fone (44) 3141-4900.

 

 

Compartilhe

Receita está de olho até nas redes sociais

by marcese

341302_original

Postagens em redes sociais mostrando o dia a dia das pessoas podem render aos internautas muito mais do que algumas curtidas e comentários. A exibição na web pode ganhar também a atenção da Receita Federal.

Isso porque o Fisco está de olho em páginas como Facebook, Instagram, Youtube, além de outras redes, para analisar se contribuintes estão escondendo informações do órgão. Nos últimos anos, a internet se tornou uma aliada dos auditores da Receita, que em alguns casos vasculham os perfis dos brasileiros para confrontar se a rotina da pessoa bate com o que ela apresenta na declaração do Imposto de Renda (IR). O delegado adjunto da Receita Federal no Espírito Santo, Ivon Pontes Schayder, explica que não se trata de uma violação de privacidade, mas de lançar mão de uma ferramenta que oferece muitas pistas e informações. “Não é uma questão de intimidade, mas uma questão de avaliação patrimonial e de disponibilidade financeira.

Existem situações de pessoas que colocam fotos de muitas viagens, carros de luxo e outros bens que indicam que ela tem um patrimônio elevado. Mas quando olhamos a declaração dela, percebemos que existe uma divergência entre o salário informado e a vida social que tem.” Quando isso acontece, o delegado esclarece que o contribuinte é chamado pela Receita para prestar esclarecimentos.

Se as justificativas apresentadas forem consistentes e sejam provadas, a pessoa é liberada. Mas se não houver elementos que atestem o motivo para a discrepância de informações, o contribuinte poderá ser autuado e cobrado. “E, dependendo da inconsistência, existe a possibilidade de identificação ainda de fraude, dolo ou simulação, que poderão ser representados ao Ministério Público, levanto até mesmo a pessoa a pegar de dois a cinco anos de reclusão”, explica. Cruzamento e não é apenas com as redes sociais que a Receita consegue localizar contribuintes que tentam enganar a instituição. O avanço da tecnologia e os investimentos em programas e sistemas operacionais estão permitindo que o cruzamento de dados seja mais eficaz. A gama de declarações que a Receita recebe – como Dirf, Doi, Dimob, Dimof, Decred, Dmed – reforçam o trabalho dos auditores.

O delegado Schayder comenta que elas trazem informações ligadas a rendimentos retidos na fonte, operações imobiliárias e financeiras, serviços médicos, entre outras. Para o doutor em Contabilidade e professor da Fucape Valcemiro Nossa, é como se o contribuinte vivesse em um “Big Brother da Receita”. “Tá todo mundo vigiando de todos os lados.

Essa é uma situação interessante porque mostra como a Receita vem se desenvolvendo e como o Brasil está à frente de outros países. Mas o que nos choca é que, apesar da intenção do Fisco ser justa, não vemos esse dinheiro retornar em benefícios para a população. Prazo Os contribuintes têm até 29 de abril para entregarem a declaração do IR. Estão obrigadas a apresentar o documento quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.123,91 em 2015.

Redes sociais

Monitoramento Auditores da Receita Federal têm monitorado perfis de brasileiros no Facebook e no Instagram, além de outras redes sociais, incluindo o YouTube, para levantar informações e verificar se as declarações realizadas pelos contribuintes condizem com o que é publicado na internet.

Ostentação Segundo a Receita Federal, muitas vezes, as pessoas declaram que ganham uma renda baixa, mas ostentam em páginas da internet carros de luxo, viagens, iates, roupas de grife e outros bens, que após identificados pelos auditores são usados para confrontar as informações. Tecnologia .

Programas O avanço tecnológico tem permitido que a Receita Federal tenha acesso a sistemas cada vez mais eficazes na apuração das informações de contribuintes. Com esses programas é possível cruzar diversos dados que revelam quando o contribuinte está dizendo ou não a verdade.

Declarações A Receita recebe além da declaração do Imposto de Renda várias informações por meio de declarações como a Dirf, Doi, Dimob, Dimof, Dmed, entre outras que trazem dados como rendimento retido na fonte, operações imobiliárias e financeiras, além de serviços médicos, que ao serem cruzados ajudam a identificar inconsistências. Emprestar cartão pode levar pessoa à malha fina  Emprestar o cartão de crédito para amigos e familiares realizarem compras. Essa situação corriqueira pode ser um motivo para levar contribuintes a caírem em malha fina na declaração do Imposto de Renda. O doutor em contabilidade e professor da Fucape Valcemiro Nossa explica que essa possibilidade existe quando são realizadas movimentações financeiras superiores à renda informada pelo cidadão ao Fisco. “É comum vermos pessoas passando compras de vizinhos, amigos e parentes para receber o valor posteriormente. Mas aí existe o problema de os gastos não serem compatíveis com o que a pessoa ganha, o que pode chamar a atenção da Receita e trazer dificuldades para o contribuinte se justificar e comprovar o “empréstimo” perante ao órgão”. Além desse alerta, o especialista cita que vacilos como erros de digitação, omissão de rendimentos, declaração das despesas médicas sem comprovantes, duplicidade na declaração de dependentes e esconder o recebimento de doações e vendas de bens podem fazer com que o documento entregue à Receita Federal seja identificado com inconsistências e leve a pessoa a ter de se entender com o Leão. O delegado adjunto da Receita no Espírito Santo, Ivon Pontes Schayder, comenta que atualmente existem cerca de 20 mil contribuintes com as declarações retidas em malha, considerando exercícios anteriores. “Para evitar que isso aconteça, a dica é que as pessoas separem todos os documentos, façam o preenchimento dos dados com calma para evitar erros e busquem só informar aquilo que elas podem comprovar”, diz. Ele observa ainda que quem tiver dúvidas pode procurar ajuda do órgão no site www.receita.fazenda.gov.br, pelo telefone 146, ou na própria Receita, que fica no centro de Vitória, das 7 às 18 horas.

Evitar a malha fina

Digitação dos valores É importante ter cuidado na digitação das informações e ser preciso no preenchimento dos dados na declaração, especialmente com os números do informe de rendimentos, que têm as mesmas informações repassadas pelas empresas para o Fisco.

Fontes pagadoras Quem tem mais de uma fonte pagadora deve informar todos os valores recebidos, como salários, pró-labore e aluguéis.

Omissão O contribuinte deve lançar todos os rendimentos, inclusive dos dependentes. Quem aluga, por exemplo, algum tipo de imóvel não pode deixar de declarar os valores recebidos.

Comprovação Só declare despesas que possam ser comprovadas, e verifique se o valor das informações das fontes pagadoras ou recebedoras está de acordo com os valores declarados.

Cartão de crédito Cuidado ao emprestar o cartão de crédito para realizar compras para amigos e familiares. Muitas vezes, os valores gastos podem ser incompatíveis com a renda do dono do cartão.

Bens É obrigatório lançar bens, como: contas bancárias, aplicações financeiras maiores que R$ 140; imóveis, carros; ações ou cotas de empresas cujo custo de aquisição seja maior que R$ 1 mil; estoque de ouro.

Novas regras Fique atento às novas regras. A partir deste ano, é obrigatório declarar o CPF de dependentes a partir de 14 anos. Além disso, advogados, médicos e dentistas têm de declarar o CPF de clientes.

Fonte: http://www.gazetaonline.com.br/_conteudo/2016/03/noticias/dinheiro/3932127-receita-esta-de-olho-ate-nas-redes-sociais.html

Compartilhe