Sua empresa está pronta para a NF-e 4.0?

por Equipe de conteúdo

Novo leiaute da Nota Fiscal Eletrônica entra em vigor em julho de 2018. Fique atento para que sua empresa esteja pronta e não interrompa o faturamento.

A Nota Fiscal Eletrônica completa 10 anos em 2018, foram centenas de mudanças no leiaute desde então e a chamada NF-e 4.0 é mais um marco na história do projeto.

A Partir de 01 de julho deste ano a fase 4.0 da NF-e entrará em vigor e quem não estiver adaptado deixará de emitir notas fiscais imediatamente, portanto empresários, gestores e demais pessoas envolvidas na área de faturamento e tecnologia das empresas devem estar inteirados desse processo para que não haja interrupção no faturamento.

O que muda?

As mudanças são majoritariamente técnicas, que dependerão da análise e ajustes de profissionais da área de TI, mas para que o empresário entenda os impactos separamos aqui algumas mudanças pontuais que vão alterar a rotinas das empresas:

• Incluída opção para que seja identificada a emissão de NF-e fora do ambiente da empresa, quando a venda é realizada por vendedor ambulante.

• Criação de novo grupo “Rastreabilidade de produto” para permitir a rastreabilidade de qualquer produto sujeito a regulações sanitárias, casos de recolhimento/recall, além de defensivos agrícolas, produtos veterinários, odontológicos, medicamentos, bebidas, águas envasadas, embalagens, etc.

• Inclusão de campo para informar o Código ANVISA para medicamentos.

• Alterações de campos para empresas de combustíveis que produzem ou comercializam GLP.

• Inclusão do campo “valor do troco” que até então não era disponível para NF-e mod. 55

Ainda no terreno técnico, outra grande e impactante mudança é a adoção do protocolo de segurança TSL 1.2, que aposenta o atual padrão SSL.

O padrão TSL aumenta a segurança das transmissões dos arquivos, porém requer computadores com sistemas operacionais mais modernos (para entender melhor sobre isso leia nossa matéria: Mudanças no protocolo TSL pode gerar dificuldades para as empresas

E quanto aos prazos de implantação?

A SEFAZ liberou a implantação nas seguintes fases:

Ambiente de Homologação: 20/11/2017 (ambiente de teste das empresas)

Ambiente de Produção: 04/12/2017 (Empresas que já estão preparadas já podem emitir a NF-e desde esta data).

Desativação da versão anterior: 02/07/18 (Prazo final para adoção da NF-e 4.0, a partir desta data a antiga NF-e 3.1 deixa de funcionar)

Como preparar minha empresa?

O empresário deve conversar com seu departamento de tecnologia para alinhar essas mudanças dentro do sistema de faturamento da empresa.
É importante que isso seja feito o quanto antes pois o prazo está se esgotando rapidamente.

A Unimake Software disponibiliza no mercado de forma pioneira desde 2008 o UNINFE, um componente gratuito para integração de sistemas de faturamento e a SEFAZ para a transmissão dos arquivos XML da Nota Fiscal Eletrônica.

O UNINFE é utilizado por mais de 300 mil empresas em todo o país e já está 100% preparado para a NF-e 4.0.

Peça para o seu TI conhecer o nosso componente UNINFE, é simples e descomplicado, sem cadastro, sem contrato, basta baixar, integrar e usar!

Acesse o projeto www.uninfe.com.br e fique preparado para a NF-e 4.0!

Compartilhe

Entrada automática de Notas Fiscais com o módulo B2B Único ERP

por Equipe de conteúdo

Se tempo é dinheiro, economize os dois com o módulo B2B de entrada automática de NF-e do sistema Único ERP

Dar entrada manualmente em produtos de Notas Fiscais de compra é um trabalho quer requer extrema atenção e toma tempo do empresário e de seus colaboradores.

Isso porque uma Nota Fiscal tem muitos detalhes que devem ser seguidos à risca na hora de dar entrada no sistema.

Quando uma Nota é lançada no Único ERP ela alimenta vários módulos de uma só vez.

Na parte de estoque ela altera os saldos dos produtos e custos.

Na parte do contas a pagar ela altera o saldo de débitos e em aberto.

Só para ficar em dois exemplos, mas o fato é que uma simples NF mexe com o sistema como um todo, passando pela contabilidade (quando feita internamente), escrita fiscal, geração de SPED´s e muito mais.

Além da atenção exigida, o tempo de se lançar uma nota também é grande dependendo da quantidade de itens.

Itens novos, tem que ser cadastrados antes, para que seja feita a entrada, enfim, gera um trabalho considerável.

A entrada de uma única nota pode as vezes consumir mais de 40 minutos de um colaborador da empresa!

Mas felizmente a tecnologia da NF-e possibilita facilitar e dar segurança a esse processo.
O módulo de entrada automática de NF-e do Único, o módulo B2B, automatiza a entrada de NF-e no sistema, economizando tempo e reduzindo erros de lançamentos manuais.

Como funciona?

O usuário insere o arquivo XML da Nota Fiscal Eletrônica no Único ERP, o sistema então processa as informações e mostra numa tela tudo o que é necessário saber, quais os produtos e suas quantidades, valores, condições de pagamento, como número e prazo de parcelas, enfim, o pacote completo.

Basta que o usuário se certifique de que as informações conferem com a entrega física e dê um “aceite” para que o Único atualize, estoque, contas a pagar e tudo o mais.

Além disso ele cadastra automaticamente novos fornecedores e novos

Vantagens:

• Evita erros de digitação.
• Economia de tempo com cadastro automático de novos fornecedores.
• Economia de tempo com cadastro automático de novos produtos.
• Maior segurança do usuário no processo de lançamento da entrada.

Muitos clientes Unimake já usam o módulo B2B com resultados excepcionais, se sua empresa ainda não usa entre em contato agora mesmo com nosso setor de suporte que nosso pessoal prestará todas as informações necessárias para implantação do módulo.

Ainda não é cliente Único ERP? Entre em contato agora mesmo pelo 44 3141-4900 ou comercial@unimake.com.br

Compartilhe

Economize parte do imposto de sua empresa com este novo módulo do Único ERP

por Equipe de conteúdo

Manter atualizados os valores dos bens da empresa, como máquinas e automóveis não é apenas um processo burocrático, quando bem executado garante uma economia significativa de dinheiro com o abatimento de impostos a pagar.

Controlar contabilmente o imobilizado de uma empresa não é das tarefas mais fáceis, afinal são centenas ou mesmo milhares de itens que a empresa possui e que tem que ter seus valores ajustados mensalmente, seja para fins de abatimento de impostos(!) seja para adequação do valor do bem, no caso de uma eventual venda.

Em quanto tempo se deprecia contabilmente um automóvel? Um caminhão? E aquela fotocopiadora que fica na sala do comercial?

Definitivamente fazer esse controle manualmente requer muito tempo e atenção.

O novo módulo do Único ERP “Controle Contábil de Imobilizado” foi idealizado para ajudar o empresário e o time contábil a realizar essa tarefa de modo simples e fácil.

Como funciona?

O módulo permite o cadastramento dos bens que estão sujeitos à depreciação contábil e o usuário determina num campo próprio a taxa de depreciação anual daquele bem.

O Único passa então a processar essas informações automaticamente e gera os registros do valor do bem mês a mês.

Se o usuário quiser saber o valor de um bem num determinado mês basta emitir um relatório com data retroativa e terá essa informação num instante.

É importante salientar que as normas contábeis preveem a aplicação de taxas específicas de depreciação de acordo com o bem e que devem ser obedecidas pelo usuário no momento de informar isso no módulo.

Vejamos algumas delas:

Edificações – 4% ao ano
Instalações – 10% ao ano
Móveis e Utensílios – 10% ao ano
Máquinas e Equipamentos – 10% ao ano
Ferramentas – 15% ao ano
Veículos – 20% ao ano
Caminhões – de 20% a 25%
Equipamentos de Informática – 20% ao ano
Equipamentos de Comunicação – 20% ao ano

Na prática isso quer dizer que…

Sem dúvida o módulo de Controle Contábil de imobilizado do Único ERP vai facilitar imensamente a vida das empresas que precisam gerenciar a correta contabilização de seus bens sem perder de vista as vantagens fiscais com o abatimento de impostos previstos em lei.

Quer saber mais? Fale com nosso departamento comercial pelo 44 3141-4900.

Compartilhe

Novidade do Único ERP traz facilidade no cadastro de clientes e fornecedores

por Equipe de conteúdo

Digitar cadastros não é a tarefa favorita dos usuários, mas a nova funcionalidade de preenchimento automático do Único vai facilitar muito essa atividade.

O cadastro de clientes e fornecedores é uma atividade certas vezes cansativa e requer muita atenção, são muitas informações, muitos campos, que exigem dose extra de cuidado do usuário, pois um erro por menor que seja, dará trabalho mais adiante para ser corrigido.

Aqui vai um exemplo simples de dados que quando digitados incorretamente dão uma dor de cabeça lá na frente:

O endereço do cliente foi digitado errado e a Nota Fiscal emitida, duas ações possíveis terão que ser tomadas para corrigir isso a) ou a NF vai ter que ser cancelada e uma nova emitida ou b) Uma carta de correção terá que ser feita.

Pensando em facilitar e diminuir os erros de cadastramento o departamento técnico da Unimake desenvolveu uma integração com a SEFAZ que auto-preenche o cadastro no momento em que é informado o  CNPJ, economizando um tempão no processo.

Como funciona?

O Usuário digita o CPF ou CNPJ do cliente/fornecedor na tela de cadastros do Único.

Através de uma integração disponibilizada pela SEFAZ o Único busca os dados e retorna-os preenchidos na tela de cadastro.

Basta então que o usuário confira os dados e conclua o processo.

Ah, se os dados da SEFAZ não vierem conforme os dados informados pelo cliente/fornecedor não tem problema, basta digitar as informações corretas e salvar.

As vantagens do cadastramento automático são:

  • Rapidez no cadastro, pelo menos 80% mais rápido do que digitação manual.
  • Redução dos erros de digitação, pois em tese os dados da SEFAZ estão sempre corretos.
  • Foco do usuário em outras atividades, com o tempo economizado.

Sou cliente Único, como tenho acesso a essa nova funcionalidade?

O sistema vem sendo atualizado em todos os clientes desde fevereiro/2018, caso o seu sistema ainda não apresenta a nova funcionalidade fale com nosso departamento técnico pelo atendimento online em suporte.unimake.com.br

Ainda não sou cliente e gostaria de saber mais

Entre em contato agora mesmo com nosso departamento comercial, que nossos profissionais prestarão todas as informações. Contato é comercial@unimake.com.br ou pelo fone 44 3141-4900.

Compartilhe

Golpe da Nota Fiscal Fria? Evite isso com a manifestação de NF-e

por Equipe de conteúdo

A Nota Fiscal Eletrônica, ou simplesmente NF-e é um documento de extrema importância, tanto para quem emite como para quem recebe, pois ela é o canal através da qual as empresas compram e vendem todos os produtos que consomem e/ou comercializam.

A substituição das antigas NF´s em papel pelo similar digital facilitou a gestão fiscal e contábil, mas também exige muita organização e controle, pois num ambiente dinâmico e volátil como o eletrônico é fácil “se perder” entre milhares de arquivos XML, além disso a fiscalização sobre as movimentações é a mesma, podendo incidir sobre operações ocorridas nos últimos cinco anos.

Porém junto com a comodidade da NF-e novas formas de golpe foram criadas e exigem atenção especial das empresas, pois a empresa pode ser envolvida involuntariamente numa fraude e receber uma pesada multa.

Recentemente surgiram muitas denúncias de fraudes que vem sendo apuradas pelo Fisco na qual empresas de fachada (ou não) estão emitindo NF-e´s sem o conhecimento das empresas “compradoras”, ou seja, há a emissão de uma NF-e sem que a operação tenha sido de fato realizada (o que no jargão popular é chamado de nota fria).

Os falsários utilizam estas Notas então para transferência ilegal de créditos de ICMS e até mesmo lavagem de dinheiro.

Se a empresa cuja NF-e consta como compradora não acusar a operação na SEFAZ, pode ser envolvida na investigação pelo descumprimento de normais fiscais, omissão e não recolhimento de impostos.

Caso não realize o controle periódico de NF-e´s emitidas contra seu CNPJ, a empresa vítima da nota fria só ficará sabendo quando for questionada pelo fisco devido ao não recolhimento de tributos e a escrituração desses documentos.

Como se proteger?

Para evitar esse tipo de situação o contribuinte deve manifestar seu conhecimento sobre as NF-e´s emitidas contra si, para isso pode recorrer ao sistema manifestador gratuito da SEFAZ SP ou uma ferramenta profissional com o DANFE View, que além de fazer a manifestação em lote permite também o download de todos os XML´s.

Através da manifestação automatizada o contribuinte pode declarar:

• Ciência da Emissão
• Confirmação da Operação
• Desconhecimento da Operação
• Operação não realizada

O que significa cada evento?

Segundo informações oficiais do portal da NF-e da SEFAZ, são:

Ciência da emissão:

O evento de “Ciência da Emissão” registra na NF-e a solicitação do destinatário para a obtenção do arquivo XML. Após o registro deste evento, é permitido que o destinatário efetue o download do arquivo XML.

O Evento da “Ciência da Emissão” não representa a manifestação do destinatário sobre a operação, mas unicamente dá condições para que o destinatário obtenha o arquivo XML; este evento registra na NF-e que o destinatário da operação, constante nesta NF-e, tem conhecimento que o documento foi emitido, mas ainda não expressou uma manifestação conclusiva para a operação.

Confirmação da operação:

O evento será registrado após a realização da operação, e significa que a operação ocorreu conforme informado na NF-e. Quando a NF-e trata de uma circulação de mercadorias, o momento de registro do evento deve ser posterior à entrada física da mercadoria no estabelecimento do destinatário.

Este evento também deve ser registrado para NF-e onde não existem movimentações de mercadorias, mas foram objeto de ciência por parte do destinatário, por isso é denominado de Confirmação da Operação e não Confirmação de Recebimento.

Importante registrar, que após a Confirmação da Operação pelo destinatário, a empresa emitente fica impedida de cancelar a NF-e. Apenas o evento Ciência da Emissão não inibe a autorização para o pedido de cancelamento da NF-e, conforme o prazo definido na legislação vigente.

Operação não realizada:

Este evento será informado pelo destinatário quando, por algum motivo, a operação legalmente acordada entre as partes não se realizou (devolução sem entrada física da mercadoria no estabelecimento do destinatário, sinistro da carga durante seu transporte, etc.).

Desconhecimento da operação:

Este evento tem como finalidade possibilitar ao destinatário se manifestar quando da utilização indevida de sua Inscrição Estadual, por parte do emitente da NF-e, para acobertar operações fraudulentas de remessas de mercadorias para destinatário diverso. Este evento protege o destinatário de passivos tributários envolvendo o uso indevido de sua Inscrição Estadual/CNPJ.

Logo resumidamente podemos afirmar que a ciência da emissão é um estágio em que o contribuinte reconhece a NF-e, mas ainda não a confirmou por estar aguardando a finalização da operação (com a mercadoria em trânsito, por exemplo. A operação de confirmação da operação, em que tudo correu como devia e que a mercadoria foi devidamente recepcionada e está em poder da empresa, operação não realizada, quando apesar de ser legitima a transação não foi finalizada por algum imprevisto e por fim a última e que mais vai resguardar o contribuinte de cair numa cilada tributária é a operação de desconhecimento da operação, onde ela declara que de fato aquela transação jamais ocorreu.

Gostaria de proteger suas operações com Notas Fiscais Eletrônicas e ficar longe de multas, seja por operações fraudulentar de terceiros, seja pelo armazenamento incorreto de XML´s e de quebra automatizar o recebimento e organização de NF-e´s, emitir relatórios e poupar o tempo da sua equipe?

Conheça nossa ferramenta de gestão de XML´s DANFE View, software pioneiro de gestão de XML´s de NF-e, CT-e, CC-e e MDF-e com mais de 1 milhão de downloads.

Acesse o site, baixe a versão FREE para testes ou se preferir entre em contato com nosso time comercial pelo e-mail comercial@unimake.com.br ou pelo fone (44) 3141-4900.

 

 

Compartilhe

SEFAZ altera sistema e consulta manual de NF-e sofre impactos

por Equipe de conteúdo

A consulta manual de Notas Fiscais Eletrônica sofreu uma mudança recente promovida pela Secretaria de Fazenda (SEFAZ) que vai tornar o processo mais seguro, porém mais moroso.

 

A consulta manual de NF-e é um mecanismo disponibilizado pela SEFAZ para que os contribuintes consultem a situação das NF-e que recebem, porém neste mês de outubro o órgão decidiu implementar medidas que tornam o processo mais complexo para aqueles que não usam sistemas informatizados.

O que mudou?

Até então a SEFAZ tinha um sistema de CAPTCHA “convencional” (Aquele quadro com letras aleatórias que o usuário deve digitar para provar que é humano) que deveria ser preenchido, juntamente com a sequência de números da chave de acesso para a realização da consulta da situação da NF-e, porém a partir do dia 20 de outubro, órgão implantou um sistema mais sofisticado, que agora envolve o clique num quadro e posteriormente a identificação de algumas imagens (sempre aleatórias).

Apesar da segurança, o novo método vai exigir mais atenção e levar mais tempo quando feito de forma manual, o que pode inviabilizar a operação para empresas cujo volume de notas seja maior que algumas dezenas por mês.

O porquê da mudança?

Apesar de ser amplamente utilizado pelos usuários, tudo leva a crer que a SEFAZ realizou essa mudança para um CAPTCHA mais seguro devido ao fato de que empresas fornecedoras de solução para consulta automatizada de NF-e´s vinham se utilizam de artifícios para a quebra em massa dos CAPTCHA, ou seja, realizando o processo de forma irregular. Agora, com o método que exige o clique aliado à identificação de imagens, torna o processo praticamente a prova de robôs (softwares especializados em quebrar CAPTCHAS) ao qual a SEFAZ espera conter o problema das consultas irregulares.

O DANFE View não faz consultas via CAPTCHA

Nosso software de armazenamento e consulta de NF-e, DANFE View é pioneiro no mercado de gestão de XML´s e não será afetado por estas mudanças.

Nossas consultas são feitas através de uma funcionalidade chamada webservice, disponibilizado pela SEFAZ, utilizando o certificado digital do contribuinte, isso permite consultas em lote com grande agilidade, segurança e o mais importante, de forma 100% dentro das normas.

Quero usar o DANFE View e fazer as consultas de NF-e do modo correto.

Faça como milhares de empresas em todo o país, baixe agora mesmo o DANFE View clicando aqui, teste nossa edição FREE e obtenha toda a praticidade do sistema de gestão, armazenamento e consulta de XML´s de NF-e mais completo do mercado.

Fonte: Unimake Software

Compartilhe

5 problemas mais comuns de empresas que não protegem seus dados

por Equipe de conteúdo

A segurança dos dados de uma empresa é atualmente tão importante quanto a segurança de suas instalações físicas, pois é nas informações que estão a chave para uma empresa vencer ou perder o jogo do mercado.

Nesse artigo elencamos 5 problemas comuns (e que acontecem todos os dias) quando as empresas não dão a devida atenção a proteção de suas informações.

1) O HD do servidor pifou. E agora?

Muitas empresas optam por deixar os dados armazenados apenas no servidor local, porém o risco é enorme, pois se não houver um sistema de redundância (cópia dos dados em outro servidor / HD / Storage, ou num serviço de backup em nuvem por exemplo) e o equipamento sofrer uma pane, a chance de uma recuperação total dos dados é mínima. Além disso outro grande problema vai ser o tempo dessa recuperação. As vezes os dados podem ser recuperados, mas isso leva dias pois o hardware precisa passar por laboratórios especializados e o custo pode chegar facilmente a 10 ou 20 mil Reais. Diante da falta de informações de estoque, faturamento, financeiro, o que a empresa fará nesse intervalo em que os dados estão sendo recuperados? E se não forem totalmente recuperados, quais prejuízos a empresa sofrerá?

2) O servidor foi roubado…

Aqui o problema é pior do que no caso de pane, pois nesse caso se não havia backup, os dados só serão recuperados se o servidor em si for recuperado. Além disso o equipamento pode ter sofrido danos durante o período em que ficou na mão de terceiros. Seria um dos piores cenários em termos de gestão da informação para uma empresa.

3) O servidor foi atacado por vírus…

Existem alguns vírus altamente destrutivos que apagam ou corrompem os dados, nesse caso novamente as chances de recuperação total são pequenas e o tempo para fazer isso pode levar vários dias, levando a empresa ao caos caso não consiga atender seus clientes, entregar pedidos, pagar fornecedores, só para citar algumas atividades operacionais. Novamente como na situação 1, um bom sistema de redundância (interno) ou backup em nuvem (externo) ajudaria e eliminar ou diminuir um transtorno desses.

4) Os dados foram sequestrados (Ransomware)

O temido Ransomware é um golpe de sequestro de dados e ficou muito comum nos últimos 3 anos, atacando praticamente todos os tipos de organizações, inclusive empresas de médio e pequeno porte. Um vírus se instala nos computadores e bloqueia o acesso aos dados, nesse caso os hackers pedem vultosas quantias em dinheiro para liberar os dados. Aqui existem 3 problemas cruciais: 1) A quantia pedida para o resgate, que pode facilmente chegar a 20, 30, 50 mil Reais ou mais dependendo do número de computadores infectados e o porte da empresa, 2) O tempo para que a transação seja paga em que a empresa fica com suas atividades paralisadas (sem vendas, sem entregas, sem lucros) e 3) Há situações em que mesmo tendo sido pago o “resgate”, os dados foram corrompidos, tornando-se assim inúteis, ou seja, um prejuízo duplo (pagamento do resgate mais o custo do tempo de operação perdido entre o pagamento e a tentativa de recuperação dos dados).

5) A empresa sofreu um alagamento/incêndio.

Esse com certeza é um dos piores cenários, pois além da perda dos dados pode levar infelizmente a perdas materiais (e até humanas). No caso de um incêndio ou alagamento caso não haja uma fonte de backup externo as chances de recuperação dos dados é praticamente nula, e com um agravante, caso os arquivos físicos também sejam afetados (Cópias em papel de contratos, cheques, cadastros de clientes, manuais de produtos, entre outros) a recuperação pode ser simplesmente impossível.
Incêndios e alagamentos já foram as causas do encerramento de muitas empresas no Brasil e no mundo. Um ponto de atenção especial aos alagamentos é que uma empresa pode sofrer com eles mesmo estando fora de uma área de risco, afinal o alagamento pode vir do alto, em caso de vazão de calhas, chuvas de granizo, etc. Sendo assim todo cuidado é pouco.

Conclusão:

A segurança dos dados não deve ser um tabu para as empresas, mesmo as pequenas e médias devem se preocupar com o assunto. Podemos citar que uma boa solução de backup, especialmente em nuvem, previne uma série de problemas:

  • Evita com que a empresa pare suas atividades (leia-se pare de entregar, pare de vender, pare de receber, pare de lucrar).
  • Evita que a empresa tenha que pagar altos valores a criminosos, tenha que fazer uma grande retirada de caixa ou até um empréstimo) e ao evitar esses pagamentos também deixa de alimentar o crime.
  • Evita custos indiretos perdidos com funcionários tendo que redigitar notas, pedidos, contratos e outros documentos fora de expediente (hora-extra).
  • Evita gerar um rombo no caixa da empresa caso o movimento de contas a receber desapareça (isso pode literalmente quebrar a empresa).
  • Por último e não menos importante, evita manchar a reputação da empresa, afinal os clientes não vão querer saber porque sua empresa não está cumprindo prazos e contratos, nem que os motivos sejam desde uma mera queda de energia até o sumiço do seu banco de dados inteiro.

Além do cuidado com o backup é sempre prudente pensar em outras medidas, como o uso de bons antivírus, firewalls, sistemas operacionais originais e atualizados e um trabalho constante de conscientização dos funcionários quanto ao tipo de conteúdo que acessam ou baixam da internet.

Pense nisso e considere aumentar a segurança de seus dados corporativos hoje mesmo!

Leia também:

As 10 coisas mais perigosas que você pode fazer na internet

Fonte: Unimake Software

Compartilhe

Unimake participa de encontro com mentores no Bootcamp InovAtiva

por Equipe de conteúdo

A empresa faz parte do programa de aceleração com o serviço de backup na nuvem Gemini.

A Unimake Software participou do Bootcamp de Integração do programa InovAtiva Brasil, edição Curitiba, no último sábado, 7.

O encontro, que conecta representantes de 246 startups aceleradas pelo programa InovAtiva Brasil no ciclo 2017/2, tem a missão de orientar startupeiros quanto ao planejamento e definição de estratégias de atuação no mercado.

O programa é uma iniciativa do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), e conta o apoio do Sebrae na realização e da Fundação Certi na execução.

O evento aconteceu em 14 capitais brasileiras e foi idealizado para colocar os startupeiros frente a frente com especialistas em mercado empreendedor que ofereceram capacitação com foco na melhoria das empresas.

Segundo Marcos Vinícius de Souza, secretário de Inovação e Novos Negócios do MDIC, as startups que participam desse momento têm grande potencial de amadurecimento. ‘‘Com o apoio de profissionais que atuam no ecossistema de inovação, esses novos empreendedores vão ter condições de impulsionar os próprios negócios aplicando práticas e conhecimentos de primeiro nível’, afirma.

Para mais informações sobre o InovAtiva Brasil, acesse www.inovativabrasil.com.br e a fanpage http://facebook.com/inovativabrasil.

O próximo Ciclo de aceleração do programa começa em janeiro de 2018.

 

Compartilhe

Participe do Webinar DANFE View – 13/09

por Equipe de conteúdo

Você é nosso convidado especial para o Webinar do DANFE View, que acontecerá no dia 13/09 as 11h.

Inscreva-se gratuitamente e assista no nosso canal do Youtube essa live que vai mostrar entre outras coisas:

Visão geral do aplicativo,
Como usar as principais funcionalidades e
Como fazer a manifestação do destinatário da NF-e.

Compartilhe

6 dicas de segurança para evitar links maliciosos

por Equipe de conteúdo

Já parou para pensar na quantidade de cliques que você faz quando está navegando na internet? Provavelmente não. O que a maioria dos internautas faz é ligar o “piloto automático” e clicar em todos os conteúdos que achar interessante. De clique em clique, o usuário coloca em risco o computador e os dispositivos móveis (celular e tablet), até mesmo quando possuem proteção de um sistema antivírus, pois os criminosos virtuais usam esses links como propagadores de vírus que podem roubar seus dados e serem usados em fraudes virtuais, ou seja, prejuízo e transtorno à vista.

Pensando nisso, preparamos 6 dicas para clicar em links com segurança. Confira:

 

1) Pense (muito) antes de clicar: Ao usar a internet você interage com links o tempo todo, seja navegando, seja conversando por comunicadores instantâneos, se um contato começa a lhe enviar arquivos “com cara” de PDF ou DOC, ou links com assuntos estranhos, desconfie, geralmente você conhece o perfil do material que seus contatos lhe enviam e qualquer coisa que fuja ao padrão requer atenção, então se receber e ficar em dúvida não clique e fale com seu contato. Em sites fique atento a links encurtados, domínios estranhos (por exemplo www.bradesco.ru, afinal porque um grande banco brasileiro teria um site hospedado na Rússia?) e notícias muitos chamativas, do tipo que o famoso cantor está internado ou o casal da novela se separou, a chance de armadilha é grande.

2) Cursor sobre o link: Dica simples que vale ouro, posicione a seta do mouse sobre o link desconhecido, mas não clique. Ao fazer isso, você poderá confrontar se o endereço do link corresponde ao destino apontado no rodapé. Algumas empresas podem usar esse tipo de estratégia para atrair usuários para outros sites. Lançam o link com uma oferta imperdível, o qual, ao ser clicado, direciona o internauta a outra página. Ao parar o cursor sobre o link, você terá a chance de confirmar o endereço real e decidir se acessará ou não a página.

3) Antivírus: Um bom antivírus instalado em seus computador vai lhe alertar sobre links suspeitos. Ou seja, quando você clicar no endereço e visualizar a mensagem poderá decidir se acessará ou não o link, evitando, assim, que o sistema operacional de seu computador seja afetado por vírus.

4) Use um site de verificação: É possível fazer uma investigação online em sites gratuitos. Basta informar o link que deseja consultar para receber uma resposta instantânea sobre a página suspeita. O Site https://cauma.pop-ba.rnp.br/url/verify mantido pela UFBA é um dos que fazem isso e gratuitamente.

5) Navegador seguro: Faça as atualizações necessárias para manter o navegador em segurança. Alguns navegadores já possuem sistemas que avisam ao usuário se o site possui conteúdo malicioso. Além disso, o usuário deve manter atenção ao endereço das páginas. “Especialistas” em crimes virtuais podem usar links conhecidos com pequenas alterações (praticamente imperceptíveis) para induzir o usuário a acessar o conteúdo. Evite usar navegadores alternativos cujo histórico de atualizações seja questionável, Firefox, Chrome e Opera são os mais conhecidos e usados no mercado.

6) Certificação e criptografia: Sites de busca como o Google ao retornar os resultados de uma pesquisa informam quais sites são seguros. Isto é muito importante, principalmente quando se trata de loja virtual na qual serão fornecidos dados cadastrais e bancários. Verifique também se o endereço aparece como https:// e se existe um cadeado na barra do endereço. Site seguro é certificado e faz a criptografia de dados dos usuários. Na dúvida, escolha lojas virtuais reconhecidas no mercado ou pesquise a opinião de outros usuários com uma loja virtual pouco conhecida.

Gostou dessas dicas? Compartilhe e leia outros artigos no blog!

 

Compartilhe